Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas Pressurização de Escadas

Conte com a Arcinco 11-3941-1866 ou 11-94253-0694 para seus Sistemas de Ventilação, Exaustão e Ar Condicionado Industriais e Comerciais. E-mail:arcinco@terra.com.br

A Arcinco atua na fabricação de sistema de ventilação industrial  desde 1.987, com o objetivo de desenvolver projetos e fabricar os mais modernos sistemas de ventilação industrial e exaustão. A Arcinco alcança e ultrapassa as expectativas do mercado, surpreendendo seus clientes com a precisão nas necessidades geradas pela Globalização.

Nossa equipe de engenharia além de acompanhar todo desenvolvimento, fabricação e instalação de cada projeto, conta com assessoria jurídica ambiental, dando assim a devida regulamentação nos órgãos competentes.0049

 

Dutos para Ar Condicionado Dutos para Ar Condicionado2  Dutos para Ar Condicionado5

Dutos para Ar Condicionado3  Dutos para Ar Condicionado4 Dutos para Ar Condicionado6

Dutos para Ar Condicionado7

Contrato de Manutenção Pressurização de Escadas Contrato de Manutenção Escadas Pressurizadas Contrato de Manutenção Exaustores Contrato de Manutenção Exaustão de Lareiras Contrato de Manutenção Exaustão de Churrasqueiras Contrato de Manutenção Exaustão de Estacionamento Contrato de Manutenção Sistemas de Ventilação
Contrato de Manutenção Pressurização de Escadas 01 Contrato de Manutenção Pressurização de Escadas 02 Contrato de Manutenção Pressurização de Escadas 03 Contrato de Manutenção Pressurização de Escadas 04 Contrato de Manutenção Pressurização de Escadas 05 Contrato de Manutenção Pressurização de Escadas 06 Contrato de Manutenção Pressurização de Escadas 07
Execução de Obras Pressurização de Escadas 01 Execução de Obras Pressurização de Escadas 02 Execução de Obras Pressurização de Escadas 03 Execução de Obras Pressurização de Escadas 04 Execução de Obras Pressurização de Escadas 05 Execução de Obras Pressurização de Escadas 06 Execução de Obras Pressurização de Escadas 07
Execução de Obras Pressurização de Escadas 08 Execução de Obras Pressurização de Escadas 09 Execução de Obras Pressurização de Escadas 10 Execução de Obras Pressurização de Escadas 11 Execução de Obras Pressurização de Escadas 12 Execução de Obras Pressurização de Escadas 13 Execução de Obras Pressurização de Escadas 14
Execução de Obras Pressurização de Escadas 15 Execução de Obras Pressurização de Escadas 16 Execução de Obras Pressurização de Escadas 17 Execução de Obras Pressurização de Escadas 18 Execução de Obras Pressurização de Escadas 19 Execução de Obras Pressurização de Escadas 20 Execução de Obras Pressurização de Escadas 21
Execução de Obras Pressurização de Escadas 22 Execução de Obras Pressurização de Escadas 23 Execução de Obras Pressurização de Escadas 24 Execução de Obras Pressurização de Escadas 25 Execução de Obras Pressurização de Escadas 26 Execução de Obras Pressurização de Escadas 27 Execução de Obras Pressurização de Escadas 28
Execução de Obras Pressurização de Escadas 29 Execução de Obras Pressurização de Escadas 30 Execução de Obras Pressurização de Escadas 31 Execução de Obras Pressurização de Escadas 32 Execução de Obras Pressurização de Escadas 33 Execução de Obras Pressurização de Escadas 34 Execução de Obras Pressurização de Escadas 35
Execução de Obras Pressurização de Escadas 36 Execução de Obras Pressurização de Escadas 37 Execução de Obras Pressurização de Escadas 38 Execução de Obras Pressurização de Escadas 39 Execução de Obras Pressurização de Escadas 40 Execução de Obras Pressurização de Escadas 41 Execução de Obras Pressurização de Escadas 42
Execução de Obras Pressurização de Escadas 43 Execução de Obras Pressurização de Escadas 44 Execução de Obras Pressurização de Escadas 45 Execução de Obras Pressurização de Escadas 46 Execução de Obras Pressurização de Escadas 47 Execução de Obras Pressurização de Escadas 48 Execução de Obras Pressurização de Escadas 49
Execução de Obras Pressurização de Escadas 50 Execução de Obras Pressurização de Escadas 51 Execução de Obras Pressurização de Escadas 52 Execução de Obras Pressurização de Escadas 53 Execução de Obras Pressurização de Escadas 54 Execução de Obras Pressurização de Escadas 55 Execução de Obras Pressurização de Escadas 56
Execução de Obras Pressurização de Escadas 57 Execução de Obras Pressurização de Escadas 58 Execução de Obras Pressurização de Escadas 59 Execução de Obras Pressurização de Escadas 60 Execução de Obras Pressurização de Escadas 61 Execução de Obras Pressurização de Escadas 62 Execução de Obras Pressurização de Escadas 63
Execução de Obras Pressurização de Escadas 64 Execução de Obras Pressurização de Escadas 65 Execução de Obras Pressurização de Escadas 66 Execução de Obras Pressurização de Escadas 67 Execução de Obras Pressurização de Escadas 68 Execução de Obras Pressurização de Escadas 69 Execução de Obras Pressurização de Escadas 70
             
             
             
             
             
             

Os biocombustíveis têm sido utilizados como uma forma de solucionar os problemas relacionados à geração de energia a partir de combustíveis fósseis, por sua contribuição na redução das emissões de gases de efeito estufa e outros poluentes como SO2. O objetivo desta pesquisa é caracterizar a partícula e estudar o processo de conversão térmica de sementes de tucumã-do-Amazonas (Astrocaryum aculeatum) em óleo combustível através da caracterização dos produtos gerados no processo de pirólise rápida em reator de leito fluidizado borbulhante em escala laboratorial. O efeito da temperatura do processo foi analisado, variando-se a temperatura do reator entre 400 e 600°C, mantendo-se constante a velocidade superficial do gás de fluidização e, portanto o tempo de residência dos gases gerados no processo de pirólise. Em todos os testes, areia com diâmetro médio de 180 m foi o material inerte utilizado. As partículas de biomassa alimentadas no reator possuíam diâmetro inferior a 2 mm e os produtos (sólido, líquido e gás) gerados durante o processo foram quantificados e analisados, obtendo-se seus rendimentos em função da temperatura de operação do reator. Os resultados mostraram que a fração líquida apresentou maior rendimento quando a temperatura do reator foi de 500oC, representando 60% (em massa) dos produtos gerados. Nessa condição, o poder calorífico superior do bio-óleo (livre de umidade) foi de 20,22 MJ/kg, no entanto um valor de 30,48 MJ/kg foi obtido para temperatura do reator igual a 550°C, o que indica ter potencial para ser utilizado como biocombustível. O carvão vegetal produzido apresentou o maior poder calorífico superior a 500°C, com valor médio de aproximadamente 32 MJ/kg. A análise do carvão mostrou que o produto poderia ser aplicado como fonte para melhoria do solo assim como aditivo para fertilizante, devido aos teores obtidos de óxidos de Fe, Mg, Ca, K e Na no material. As análises dos gases produzidos mostraram que houve um crescente aumento no teor de monóxido de carbono com o aumento da temperatura do reator e que os gases gerados tem potencial para posterior queima e utilização como geradores de energia.